Como a sua imagem corporal pode afetar a sua vida sexual

0

Pode ser um desafio deixar os pensamentos de lado e manter a conexão com o seu parceiro ou parceira durante uma experiência sexual, quando você não se sente 100% confortável com o seu próprio corpo. 

E não apenas a conexão é ameaçada diante de uma imagem corporal negativa, mas aumentam-se as possibilidades de você não usar preservativos na hora do sexo. E o que fazer em relação a esse problema? Acompanhe o nosso conteúdo e descubra.

A imagem corporal negativa

Quando falamos sobre uma imagem corporal negativa, estamos nos referindo a sentimentos de insatisfação com a própria aparência, a emoções negativas associadas ao corpo e um alto nível de investimento em soluções estéticas.

A imagem corporal (negativa ou positiva), não se desenvolve isoladamente. O meio em que estamos inseridos, a mídia, a nossa família e os nossos amigos também exercem influência.  

Somos constantemente bombardeados pela exaltação de corpos clinicamente abaixo do peso, estrelas de reality shows ou instagramers que passaram por procedimentos estéticos radicais e aos quais nos sentimos pressionados a parecer, como se fosse o “correto”, quando na verdade são irreais, inatingíveis e não-naturais.

Quando se cria uma imagem corporal negativa, aumentam-se as chances de se envolver em comportamentos de risco, incluindo níveis mais baixos de auto eficácia quando falamos sobre o uso de preservativos.

Essa auto eficácia trata da iniciativa pela própria segurança. É o “não depender exclusivamente do parceiro para que ocorra um sexo seguro”. E por quê os níveis são mais baixos em pessoas com uma imagem corporal negativa?

Bem, algumas pessoas temem a rejeição e, por isso, não insistem no uso do preservativo ou prosseguem em uma relação sexual sem que haja qualquer segurança. Se já aconteceu com você e está preocupado com os impactos que uma imagem corporal negativa pode ter sobre a sua saúde e o seu bem estar, apresentaremos alguns caminhos que possam te ajudar.

Procure apoio profissional

O mais indicado quando a imagem corporal passa a afetar a vida, como um todo, é buscar o apoio de um profissional de saúde mental. O ideal é que o foco seja direcionado à função, e não a aparência de nossos corpos.

Devemos, em primeiro lugar, apreciar o nosso corpo pelo que ele é capaz fazer e não pela aparência que tem. Perceber as maravilhas que fazemos, fará com que desfrutemos do sexo de uma maneira diferente e façamos de forma segura.

Seja criterioso com o que segue nas redes sociais

Limitar o tempo online ou o conteúdo consumido enquanto estamos conectados pode ser uma grande ajuda no processo de modificação de uma imagem corporal negativa. Deixe de lado páginas e celebridades da internet que vendem o corpo magro-perfeito de maneira irresponsável.

Preencha o seu feed com um conteúdo que faça você se sentir bem com o seu corpo. Busque influenciadoras e influenciadores body positive e comece a celebrar todos os tipos de corpos, não apenas o padrão.

Evite pessoas que façam com que se sinta mal com o seu corpo

Não apenas as redes sociais devem ser retrabalhadas, mas também os nossos contatos offline. Cerque-se, sempre que possível, de pessoas que tenham uma visão positiva sobre corpos, que falem bem de si mesmas e estejam confortáveis por ser o que são.

Não tolere comentários negativos sobre o seu corpo, apenas por não atender aos padrões irrealistas de beleza dos dias atuais. Manter, em nossas vidas, pessoas que façam esse tipo de comentário nos levam a pensamentos autocríticos, desprezo pelo nosso corpo e uma comparação desfavorável a outros.

Também limite o poder da cultura da dieta entre os seus amigos e os seus familiares. Cultivar a ideia de que alguns corpos são feios ou ruins e precisam ser modificados, através de dietas ou outros procedimentos, podem levar a uma diminuição da autoestima.

Não alimente ou mantenha-se presente quando houverem conversas sobre “quem engordou”; nem incentive quando algum amigo ou familiar vier falar com tristeza que ganhou alguns quilos.

A cultura da dieta é tão destrutiva que, em uma pesquisa realizada com adolescentes da 9ª a 12ª série, nos Estados Unidos, descobriu-se que 59% das mulheres e 29% dos homens estavam tentando perder peso.

Mais que isso: 18% das meninas e 8% dos meninos ficaram, em algum momento dos 30 dias que antecederam o estudo, sem comer por 24 horas. Tudo isso para perder emagrecer. Estamos falando sobre crianças!

E como posso mudar a minha imagem corporal negativa?

Se você luta contra a imagem corporal negativa, aprender a mudar o seu diálogo interno é fundamental. 

Para isso, lembre-se daquela dica que falamos lá atrás: pense em todas as coisas que o seu corpo pode fazer. É com ele que você corre, dança, sorri ou pelo menos respira. E não tem problemas em passar algum tempo pensando em coisa por coisa que o seu corpo é capaz de fazer por você. Desenvolver essa consciência transformará a sua percepção sobre o seu corpo.

Liste também todas as coisas que gosta a seu respeito e deixe de lado, por enquanto, aquelas que são relacionadas a quanto você pesa e ao que aparenta ser. Leia a sua lista com frequência, e principalmente quando vier a crise. Lembre-se também de acrescentar novos itens a lista a medida em que se conectar com o seu corpo e descobrir o que mais gosta a seu respeito.

Vale lembrar, também, que toda a noção de beleza é subjetiva. Quando nós nos sentimos bem com quem somos e com o nosso corpo, o nosso senso de confiança e auto aceitação abre caminhos para que enxerguemos o belo. 

Por isso, quando as vozes na sua cabeça vierem dizer que o seu corpo não é adequado ou que você não é uma pessoa interessante por razões ligadas a sua aparência, interrompa esses pensamentos com um bombardeio de mensagens positivas. Repita quantas informações positivas forem necessárias para que as autodepreciativas desapareçam.

Por fim, faça sempre algo bom por você e pelo seu corpo. Deixe que ele saiba que você o aprecia e respeita com toda a história que ele conta. Passe mais tempo no banho, mantenha-se hidratado e tire uma boa soneca.

Trabalhe para construir uma autoestima forte e desfrute, como consequência, de uma vida sexual mais saudável e um bem-estar que não pressupõe a forma como se parece. Com o apoio de outras pessoas e um esforço centrado em mudar a percepção sobre o próprio corpo, vale a pena fazer investimentos e transformar a própria vida.

 

Escolha sua Reação!
Deixe sua opinião